maíra spanghero


CORPOS CUIDADOSAMENTE SELECIONADOS
23/10/2009, 2:25 PM
Filed under: corpo, reportagem afetiva | Tags: , ,

(Este texto é proibido para menores de 18 anos. Leitores podem considerar incômodas descrições e imagens aqui contidas)

Vênus de Cera - figura anatômica feita em Florence, 1771-1800, Cortesia do Science Museum, Londres

Vênus de Cera - figura anatômica feita em Florence, 1771-1800, Cortesia do Science Museum, Londres

Um livro grande e corpulento está aberto e mostra uma ilustração com sobreposições. Uma imagem sobre a outra. Você pode abrir o tórax para ver o que tem dentro. “Uma Pesquisa sobre o Microcosmo; ou, A Anatomia de Corpos de Homem e Mulher”, de 1702, é um dos intrigantes materiais disponíveis na exposição Exquisite Bodies or the Curious and Grotesque Story of the Anatomical Model.

 

O nome é muito adequado ao que exibe: exquisite vem do latin exquisitus e sua origem está no século XV. Ex + quaerere = procurar. Também pode ser traduzido como “cuidadosamente selecionado”, “marcado por impecável maestria ou por execução elaborada, ingênua e bela”, “extremo”. Realizada pela excelente Wellcome Collection, uma instituição interessada em debater assuntos ligados a arte-ciência, medicina e saúde, a exposição reuniu inúmeros objetos (pinturas, desenhos, fotografias, livros entre outras peças) e muitas informações para mostrar um pouco da história dos modelos anatômicos e a relação humana com a cura, a morte, a doença, a saúde e a vida. Os objetos são preciosas peças ‘arqueológicas’ e nos contam histórias que vão além delas próprias. Falam de seu contexto, dos entendimentos culturais e científicos em voga, das crenças, dos preconceitos. São objetos curiosíssimos ou apenas para os indubitavelmente curiosos.

imagem da exposição

imagem da exposição

A exposição traçou um apanhado dessa história desde do início com as estranhas obras de arte patrocinados pelo Duque de Tuscany e considerados na sociedade vitoriana como trabalhos imorais e pornográficos. Segundo informações divulgadas pelo evento, no século XIX, a despeito dos melhores esforços dos body snatchers (aqueles que roubavam corpos das covas), a demanda vinda das escolas de medicina por cadáveres frescos estava longe de ser rapidamente atendida. Uma solução para esse repulsivo problema surgiu na forma de modelos de cera que imitavam e representavam os corpos. A mistura, portanto, entre “ciência séria” e “circo dos horrores” revela crenças sobre fragilidade, sexualidade e sobre a “divina arquitetura” existentes nesse mesmo século XIX.

 

Extração da placenta: ilustrando os estágios do nascimento de um bebê (c.1900) Coleção Família Coolen, Antuérpia/Museum Dr Guislain, Ghent, Bélgica

Extração da placenta: ilustrando os estágios do nascimento de um bebê (c.1900) Coleção Família Coolen, Antuérpia/Museum Dr Guislain, Ghent, Bélgica

Museus de modelos anatômicos ficaram populares entre os europeus que procuravam um entretenimento diferente para ocupar as tardes. Em Londres, Paris, Bruxelas e Barcelona, o público poderia aprender sobre as estruturas internas do corpo, seu sistema reprodutivo e sua vulnerabilidade para doenças através de peças dispostas que combinavam ciência com horror. Pagando uma pequena taxa, até pessoas com ganhos escassos poderiam ter acesso a conhecimentos até então restritos aos nobres e aos estudantes da área. Porém, na metade final do século XIX, os museus de anatomia foram acusados de obscenidade e campanhas moralistas provocaram mudanças e as coleções de modelos de cera foram, então, absorvidas em novas esferas do entretenimento: feiras ao ar livre e circos.

Não sei bem o porquê, mas a grandissíssima maioria dos modelos ali expostos (e os que eram produzidos) eram de figuras femininas que podiam ser fragmentadas e despedaçadas em diferentes partes. Muitas réplicas revelam os estágios da gestação humana e do nascimento, o que revela interesse e fascinação enormes pelos mistérios da concepção. Outros modelos eram mais “macabros” e mostravam o corpo com doenças que eram consideradas “sociais”, como a sífilis, a tuberculose, o vício de drogas e bebida.

 

Cabeça mostrando sífilis, c.1900, Coleção Família Coolen

Cabeça mostrando sífilis, c.1900, Coleção Família Coolen

Um dos mais famosos museus de anatomia do século XIX em Londres foi o de Joseph Kahn, que atraiu mais de 200 visitantes por semana no auge de sua popularidade. Kahn, que era médico vindo da Alsace, veio para a cidade em 1851 e estabeleceu seu Museu Anatômico e Patológico no número 315 da Oxford Street. Sua coleção incluía modelos mostrando o desenvolvimento do feto humano, réplicas em tamanho natural do Apollo Belvedere e Vênus de Medici, além de numerosas espécimes ilustrando as “doenças da imprudência” e os “terríveis efeitos do onanismo”. Para complementar os objetos expostos, palestras eram promovidas diariamente sobre assuntos como dieta, embriologia e saúde sexual.

Um poster datado de 1854 anuncia a exibição do novo modelo anatômico “florentine” sob a palavra de ordem “conheça a si mesmo”. Mulheres podiam assistir a demonstração, comandada por Mrs Baker, duas vezes por semana, às terças e sextas, enquanto os homens tinham tinham o direito de escolher entre segunda, quarta e quinta mas com a demonstração do marido da senhora Baker.

 

modelo do engolidor de espada

modelo do engolidor de espada

Entre desenhos, páginas de livros antigos e modelos do corpo humano feitos de cera, você se depara com um engolidor de espada, engolindo a própria, como o tórax e o abdômen abertos para mostrar o trajeto do objeto. É uma espécie de reprodução explicativa com fios atados nas partes do corpo que conectam-se a plaquinhas com o nome do órgão. Performers que eram capazes de passar uma longa peça de metal para dentro do estômago aprenderam a reprimir o reflexo da garganta e a controlar a ânsia de vômito relaxando os músculos no esôfago que não estão, geralmente, sobre o controle voluntário.

 

Mulher Barbada, sem data (c. 1900), Coleção Family Coolen, Antuérpia/Museum Dr Guislain, Ghent, Belgium

Mulher Barbada, sem data (c. 1900), Coleção Família Coolen, Antuérpia/Museu Dr Guislain, Ghent, Bélgica

 

Outras imagens que chamam a atenção são a do bezerro de duas cabeças, a do cyclope, a da mulher barbada, a dos anões e a das irmãs siamêsas. Essas últimas são imaginadas através de uma ilustração e de um recorte de jornal do dia 4 de julho de 1936 que anuncia a morte de uma delas. A outra irmã estava bem de saúde, na ocasião do acontecido, mas muito abalada com o falecimento da companheira, que agora tinha que carregar por onde fosse. Os médicos se preparavam para proceder a cirurgia. Já a exposição da mulher barbada era comum em shows no século XIX e início do XX. Elas, provavelmente, sofriam de uma desordem congênita conhecida como “síndrome do lobisomem”.

Já os cyclopes eram pessoas com um olho só, no meio da testa. Embora raros, muitos bebês cyclopes foram preservados em museus de anatomia. A condição é geralmente fatal.

cyclope

cyclope

A associação entre esses corpos e o teatro de entretenimento é típica. Para H. Fouquier (La Vie Parisienne, Paris, 1887), “o então chamado entretenimento científico é muito frequentemente uma simples desculpa para mostrar às pessoas coisas peculiares que mais propriamente causariam escândalo…Eu prefiro pensar que, para muitos visitantes, homens e mulheres, essas figuras estão meramente lá para nutrir suas fantasias sujas”.

 

Poster da Coleção Roca

Poster da Coleção Roca

Clicando aqui você encontra imagens da exposição que não podiam ser fotografadas. Para ver o vídeo com a curadora Kate Forde clique nesse link. Leitores que compreendem inglês podem checar a matéria do The Guardian e o blog Morbid Anatomy.

irmãs siamesas

irmãs siamesas

 



Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: